3 de abril de 2018
Empresários do PR se mobilizam para que STF mantenha sua decisão de prender condenados em segunda instância

A Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap) mobiliza associações e empresários em todo o estado em favor da manutenção da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, desde 2016, determinou a prisão de condenados em segunda instância. Em Mamborê, bandeiras do Brasil foram colocadas do lado de fora do prédio da Acimam (foto acima), juntando-se ao manifesto da Faciap.

Em Cianorte, nesta terça-feira (3), empresários ligados à Associação Comercial e Empresarial do município foram para a rua. Os comerciantes não abriram seus estabelecimentos antes das 9h e caminharam até a frente do Fórum da cidade. Os juízes também participaram. Foi feito um cordão em torno do Fórum e os presentes cantaram o hino nacional. Além da associação comercial, participaram igrejas, Rotary, Lions e faculdades.

Há caminhadas marcadas para esta terça também em Foz do Iguaçu (18h), Guarapuava (17h) e União da Vitória (18h)

  Além disso, outdoors estão sendo instalados em cidades do Paraná. 

Nesta quarta-feira (4) o STF fará o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em virtude de condenação unânime, em 2ª Instância (TRF 4ª Região), por corrupção. Para a Faciap, uma decisão de grande importância, capaz de influenciar todas as futuras decisões sobre as prisões pós-segunda instância, já que abre precedente, foi tratada no STF com descaso e arrastada pela sessão de julgamento até a exaustão, abrindo a oportunidade da defesa em pleitear por uma liminar. A Faciap entende que é alarmante o Supremo Tribunal Federal se firmar cada vez mais como um tribunal político, de exceção, alternando sua própria jurisprudência caso a caso. A aplicação do direito exige estabilidade e previsibilidade. A contramão dessa via, ou seja, um ambiente de insegurança jurídica desacredita toda uma nação.

"Esses réus já tiveram sua sentença confirmada em primeira e segunda instâncias, por isso o Sistema Faciap entende que devem cumprir pena", afirma o presidente da Faciap, Marco Tadeu Barbosa.

Com informações da Faciap

 
 
Manifesto pelo estado